Riscos do chocolate para animais
 
Cuidado com seu amigo bicho! Comum na época da Páscoa, o consumo de chocolate por animais de estimação - seja oferecido pelo dono ou roubado pelo bichinho - pode provocar quadros de intoxicação com sintomas que variam de agitação, diarréia, vômito, hemorragia intestinal e, em casos mais graves, estado de coma ou até mesmo a morte.

O chocolate possui ingredientes que são metabolizados de forma diferenciada no organismo de humanos e animais. "Quanto mais escuro, puro e concentrado for o chocolate maior será o risco de intoxicação", ressalta o diretor clínico do Hospital Veterinário Pet Care (www.petcare.com.br) - São Paulo/SP -, Marcelo Quinzani. Ele esclarece que o chocolate é constituído, entre outros componentes, por carboidratos, lipídios e metilxantinas, que são teobromina e cafeína. De acordo com o médico veterinário, as últimas substâncias são as maiores causadoras de intoxicação.

"Esses componentes são absorvidos em boa parte no trato digestivo do animal e são distribuídos via corrente sanguínea para diferentes partes do organismo, como o coração e o sistema nervoso central", explica. Segundo ele, no sistema nervoso, essas substâncias vão competir com outras responsáveis pela modulação da atividade cerebral e podem provocar excitação.

Em grandes quantidades no organismo do animal essas substâncias vão causar, ainda, hipertensão moderada, diminuição ou aumento dos batimentos cardíacos, arritmias, tremores, aceleração do ritmo respiratório, ofegância, aumento da temperatura corporal e incontinência urinária. Outros sinais clínicos de que o animal está em um quadro de intoxicação são as ocorrências de vômitos, diarréia, polidipsia (quando o bichinho bebe água em grande quantidade) ou poliúria (quando urina além do normal). Hemorragias intestinais também podem ocorrer em alguns casos, normalmente entre 12 e 24 horas após a ingestão do alimento. "Todos esses sintomas agravados podem levar o animal ao coma e, em alguns casos, até à morte", alerta.

Infelizmente, não existe antídoto para a intoxicação com essas substâncias e o tratamento deve ser feito para minimizar os sintomas. "Trata-se de uma emergência, e a intervenção do veterinário é necessária. Na maioria dos casos, é recomendada a internação do animal para que ele possa ter o acompanhamento médico necessário", explica Quinzani. "Por isso, a melhor recomendação é evitar que os animais tenham acesso a esse alimento e, em caso de ingestão acidental, observar o comportamento do animal e procurar o especialista", conclui.

Fonte: Blog da Bolinha -Por Bolinha, a Vira-Latas - 1 de abril de 2009 - 13h59
http://jornalnh.com.br/site/blogs/blog.asp?canal
=19&ed=250&ct=698&cd=186107&esp=81

 
Voltar